Categories
Identidades: Circunstâncias Transversais

IDENTIDADES: Circunstâncias Transversais

Esta exposição integra o projecto de Doutoramento da Escultora e Curadora Marzia Bruno. A comissária convidou artistas como Alexandra Pinho, Glória Mendes, Nelson Santos, Patrícia Guerra e eu própria, Madalena Metelo. É um privilégio fazer parte deste projecto, lado a lado com talentos extraordinários.

Escultura e instalação num espaço desafiante e carismático. A antiga Fábrica de Cerâmica Jerónymo Pereira Campos & Filhos alberga hoje o Centro de Congressos de Aveiro e o espaço Olá Ria – restaurante e bar. Foi este último que a Curadora escolheu para a exposição colectiva.

Mesmo a tempo de partir para o continente africano, onde o seu Doutoramento continuará a tomar forma, nesta exposição Marzia Bruno apresenta a distinção do seu trabalho, que tem recebido honras académicas por onde tem passado.

A ti agradeço, Marzia, pelo voto de confiança e pela honra de presenciar e partilhar este teu caminho belíssimo.

Categories
Conceito Itinerante

Seja bem-vindo(a) ao projecto “Conceito Itinerante”!

A exposição temporária “Identidades: Circunstâncias Transversais” pretende explorar, na itinerância, a individualidade conceptual e artística de cada obra, integrar e interpretar as barreiras da arte contemporânea.

Ao longo do percurso, as obras são interligadas através de um discurso plástico-artístico, instaladas e integradas pelas circunstâncias, pensadas e expostas para aglutinar diversas vivências conceptuais e artísticas.

As obras, de raízes diversas, moldam-se e partilham o mesmo espaço, articula raciocínios de identidades transversais que se interligam. Com tudo e no seu todo, apreciar-se-á a singularidade de cada obra.

Pretende-se transmitir um olhar “espelhado”[1] de identidades contemporâneas, encontrar “reflexos”[2] do mundo artístico nacional e internacional. Espera-se, ainda que a “luz”[3] predominante nesta exposição possa ser uma inspiração ao conhecimento artístico, um “fio”[4] condutor da realidade e da paixão.

Se a “…terra é feita de céu”[5] e a arte é feita de SENTidos, evite “decapitar”[6] a emoção, apure a “Narrativa de Fuga”[7] de cada obra, atreva-se a descobrir a parte “Íntima”[8] e artística que nos une, deixe-se envolver nos “circuitos”[9] que a arte oferece.

  1. [1] Patricia Guerra “Combinações genéticas raras/<1,73 / >1,73″
  2. [2] Nelson Santos “Terra é feita de Céu”
  3. [3] Glória Mendes “O lugar dos teus seios”
  4. [4] Madalena Metelo “Íntima – Eu e Tu”
  5. [5] Nelson Santos “Terra é feita de Céu”
  6. [6] Glória Mendes “Os cestos de pequinique”
  7. [7] Alexandra Pinho “Narrativas de Fuga I/II”
  8. [8] Madalena Metelo “Íntima”
  9. [9] Alexandra Pinho “Circuitos”